Meios de comunicação na era da desinformação, a reprodução do medo e sua influência na política criminal

  • Diego Augusto Bayer Universidad de Buenos Aires
Palabras clave: Meios de Comunicação. Política Criminal. Medo. Desinformação. Manipulação.

Resumen

Este artigo tem como objetivo em primeiro momento analisar o discurso dosmeios de comunicação e sua função de informar ou desinformar,determinando as formas que se utilizam para conseguir manipular edominar sua audiência. O trabalho se concentra também em demonstrar autilização dos meios de comunicação para a produção e reprodução domedo causadas através do mau uso do jornalismo e da falta de ética. Apesquisa exploratória e bibliográfica possibilitou fazer uma análise dacriação da fantasia pelos meios de comunicação, atuando especificamentede acordo com seu público alvo e a influência causada dentro da políticacriminal em decorrência dos limites ultrapassados.

Biografía del autor/a

Diego Augusto Bayer, Universidad de Buenos Aires
Aluno regular dos cursos para doutorado em Direito Penal pela Universidad de Buenos Aires. Especialistaem Direito Penal (Uniasselvi). Professor de Direito Penal e Criminologia do Centro Universitário Católica de Santa Catarina. Advogado Criminalista. Coordenador dos livros Controvérsias Criminais: Estudos de Direito Penal, Processo Penal e Criminologia (Volumes 01 e 02). Autor do livro Julgamentos históricos: Casos que marcaram época e algumas mazelas do processo penal brasileiro.

Referencias

ANDRADE, Fabio Martins de. (2007). Mídia e Poder Judiciário: a influência dos órgãos da mídia no processo penal brasileiro. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

ANITUA, Gabriel Ignacio. (2003). Justicia penal pública: un estudio a partir del principio de publicidad de los juicios penales. 1ª ed. – Buenos Aires: Editora Del Puerto.

BATISTA, Nilo. (1990). Punidos e mal pagos: violência, justiça, segurança pública e direitos humanos no Brasil de hoje. Rio de Janeiro: Revan.

_______. Mídia e sistema penal no capitalismo tardio. Revista Brasileira de Ciências Criminais. São Paulo: IBCCrim/RT, nº 42, p. 242-263, jan./mar., 2003.

BATISTA, Vera Malaguti. (2004). O medo na cidade do Rio de Janeiro: dois tempos de uma história. Rio de Janeiro: Revan.

BARATTA, Alessandro. (2002). Criminologia crítica e crítica do direito penal: introdução à sociologia do direito penal. 3.ed. Rio de Janeiro: Editora Revan: Instituto Carioca de criminologia.

BAUMAN. Zygmunt. (1999). Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

______________. Medo Líquido. (2008). Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BERTRAND, Claude-Jean. (1999). A deontologia das mídias. Bauru: EDUSC.

BOLDT, Raphael. (2013). Criminologia midiática: Do discurso punitivo à corrosão simbólica do Garantismo. Curitiba: Juruá.

BOURDIEU, Pierre. (1997). Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

___________. (2004). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

CALLEGARI, André Luís Callegari; SILVA, Fabrício Antônio da. (Junio 2012) Política Criminal e medo: os influxos das diferentes faces do risco. In: Revista da AJURIS. Pp 13-38. Ano 39. nº 126. Porto Alegre: AJURIS.

CANAVILHAS, João. Televisão: o domínio da informação-espetáculo. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt>. Acesso em: 23 fev. 2013.

CARNELUTTI, Francesco. (2010). As misérias do processo penal. 2.ed. Leme – SP: EDIJUR.

CARVALHO, Salo de. (2010). O Papel dos Atores do Sistema Penal na Era do Punitivismo (O Exemplo Privilegiado da Aplicação da Pena). Rio de Janeiro: Lumen Juris.

CHARAUDEAU, Patrick. (2012). Discurso das mídias. São Paulo: Contexto.

CHOMSKY, Noam. (2004). O lucro ou as pessoas? Neoliberalismo e ordem Global. Trad. Pedro Jorgensen Jr. 4ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

COIMBRA, Cecília. (2001). Operação Rio: o mito das classes perigosas: um estudo sobre a violência urbana, a mídia impressa e os discursos de segurança pública. Rio de Janeiro: Oficina do Autor.

DEBORD, Guy. (1997). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DUSSEL, Enrique. (2007). Ética da libertação na idade da globalização e da exclusão. Rio de Janeiro: Vozes.

GREGO, Rogério. (2005). Direito Penal do Equilíbrio: uma visão minimalista do Direito Penal. Rio de Janeiro: Impetus.

JAKOBS, Günther; MELIÁ, Manuel Cancio. (2009). Direito penal do inimigo: noções e críticas. Trad. André Luís Callegari e Nereu José Giacomolli. 4a ed. Porto Alegre. Livraria do Advogado.

JORIO, Israel Domingos. (2008). Latrocínio: a desconstrução de um dogma – da inconstitucionalidade à inexistência do tipo penal. Belo Horizonte: Del Rey.

MARQUES, Eduardo. Reflexões sobre a mídia no caso Nardoni. Mar/2010. Disponível em: http://www.pensar21.com.br/2010/03/reflexoes-sobre-a-midia-no-caso-nardoni/. Acessado em 13 ago. 2012.

MELLO, Sílvia Leser de. (1998). A cidade, a violência e a mídia. Revista Brasileira de Ciências Criminais, n. 21, São Paulo: Revista dos Tribunais.

MELOSSI, Dario. (1992). El Estado del Control Social: un estudio sociológico de los conceptos de estado y control social en la conformación de la democracia. Madrid: Siglo veintiuno editores.

MERTON, Robert; LAZARSFELD, Paul. (2000). Comunicação de massa, gosto popular e a organização da ação social. In: LIMA, Luiz Costa (Org.) Teoria da cultura de massa. pp. 109-131. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

MORAIS DA ROSA, Alexandre. (2004). Decisão no processo penal como bricolagem de significantes. Tese de doutoramento em direito. Orientação: Jacinto Nelson de Miranda Coutinho. Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, dez.

NAVES, Nilson. Imprensa investigativa: sensacionalismo e criminalidade. Disponível em: <http://www.cjf.gov.br/revista/numero20/artigo1.pdf>. Acesso em: 18 fev. 2013.

OST, François. (1999). O tempo do direito. Trad. Maria Fernanda Oliveira. Lisboa: Instituto Piaget.

PASTANA, Débora Regina. (2003). Cultura do medo: reflexões sobre violência criminal, controle social e cidadania no Brasil. São Paulo: Método.

PENA, Felipe. (2008). Teoria do jornalismo. São Paulo: Contexto.

ROCHA, Álvaro Filipe Oxley da. (2010). Criminologia e Teoria Social: Sistema Penal e Mídia em luta por poder simbólico. In: GAUER, Ruth Maria Chittó Gauer (org.). Criminologia e sistemas jurídicos penais contemporâneos II. Pp.42-60. Porto Alegre: Edipucrs.

SHECAIRA, Sérgio Salomão. A mídia e o Direito Penal. Boletim IBCCRIM. São Paulo, n.45, ago.1996.

SILVA SÁNCHEZ, Jesús Maria.(2002). A expansão do direito penal: aspectos da política criminal nas sociedades pós-industriais. São Paulo: RT.

SODRÉ, Muniz. (1999). Reinventando a cultura: a comunicação e seus produtos. Petrópolis/RJ: Vozes.

STEINBERGER, Margarethe Born. (2005). Discursos geopolíticos da mídia: jornalismo e imaginário internacional na América Latina. São Paulo: Cortez.

VIEIRA, Ana Lúcia Menezes. (2003). Processo penal e mídia. São Paulo: RT.

WEDY, Miguel Tedesco. (2006). Teoria geral da prisão cautelar e estigmatização. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. (2001). Em busca das penas perdidas: a legitimidade do sistema penal. Rio de Janeiro: Revan.

__________. (2011). La palavra de los muertos: conferencias de criminología cautelar. Buenos Aires: Ediar.

___________ et al.(2003). Direito Penal Brasileiro. V.1. Rio de Janeiro: Revan.

________. (1997) Globalización y sistema penal em America Latina: de la seguridade nacional a la urbana. In: Revista Brasileira de Ciências Criminais. São Paulo: IBCCrim/RT, n. 20.

Cómo citar
Bayer, D. A. (2016). Meios de comunicação na era da desinformação, a reprodução do medo e sua influência na política criminal. Temas Socio-Jurídicos, 35(71), 113-137. https://doi.org/10.29375/01208578.2641

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Publicado
2016-07-01